terça-feira, 19 de julho de 2011

Autismo em Irmãos Gêmeos

Oi Pessoal,


Hoje resolvi postar sobre o Autismo em Gêmeos, pois no Programa AMA da Ufsc em que eu acompanho o meu aluno (Nauã) fiquei muito curiosa com um caso de Autismo em Gêmeos.  Lucas e Júlia são os nomes deles, bem lindos!  De Início eu não identifiquei, pois no caso deles é leve, mas com a conivência pude observar alguns sintomas, como a falta da fala no caso da Júlia, a hiperatividade, a falta de afetividade, ou seja, não gostam de ser tocados, beijados. Mas com ajuda da terapia do AMA e da Fono eles melhorando cada dia mais. A mãe deles a Sandra ( Da qual eu tenho uma grande admiração), descobriu o autismo dos filhos a um ano, para ela foi um choque, receber a notícia, porém ela não se deixou abater, aceitou a condição dos filhos a batalha para que a cada dia eles vivam melhor. Ela conta que o Lucas no início andava na ponta dos pés (Que é uma característica autista), mas ela  o incentivou a andar com os pés no chão e conseguiu, a Júlia agora está falando algumas palavras, mas só fala quando quer ( o que também é uma característica do autismo), ela conta histórias para eles, os ajuda na alfabetização, ou seja, realmente quer o bem dos filhos. Ela também conta que no aniversário deles ano passado fez uma festa linda para os dois, e eles ficaram a festa inteira trancados dentro do quarto. O autista tem tendência a se isolar, não gosta de muito tumulto e barulho (muito alto), no caso deles são características leves, mas se não receberem o tratamento adequado e não tiver o apoio podem tornar-se severas e permanentes. 

Está sendo para mim um grande aprendizado poder conviver com eles, pois no caso deles que são irmãos e gêmeos, e ainda por cima um casal! A diferença é muito grande é observável, pois e incidência é muito maior em meninos do que em meninas.

"A coincidência para autismo em gêmeos ( isto é, a probabilidade dos dois serem autistas ) oscila entre 70% e 90% se eles são gêmeos idênticos , ou monozigóticos , enquanto é de 0% se eles são gêmeos dizigóticos ( gêmeos têm a mesma semelhança genética que qualquer outro irmão ) , embora aparecem nestes gêmeos 10% de problemas de desenvolvimento que não têm o bastante para serem classificados como autismo . Quando se questiona porque a concordância é menor que entre irmãos não gêmeos , como veremos a seguir , a resposta se dá que não existem casos suficientes de gêmeos agrupados como o que existe entre irmão não gêmeos."

Fonte: http://www.autismo-br.com.br/home/Ocorrenc.htm


Abaixo uma foto do Lucas e a Júlia na festinha Junina do AMA.

1 comentários:

Deise Tamiozzo disse...
Este comentário foi removido pelo autor.

Postar um comentário